São Joaquim: a expansão do enoturismo

Nem só de maçã e neve é feita a cidade de São Joaquim. A cidade possui algumas das melhores vinícolas do país que fomentam o enoturismo na região serrana.

São Joaquim esta presente todo ano nas manchetes dos jornais por suas temperaturas negativas durante o inverno, mas nos últimos anos ganhou espaço como grande produtora de vinho. Isso iniciou uma onda de investimentos na região por conta das condições propícias para o cultivo dos vinhedos. Uma das primeiras vinícolas a explorar a região foi a Villa Francioni, do empresário Dilor Freitas. Toda a construção foi planejada para ser uma atração a parte, não apenas para produzir e engarrafar o vinho, mas para atrair e fomentar o turismo. Com inspiração nas vinícolas da região italiana da Toscana e com objetos de decoração históricos no seu interior, da coleção pessoal do empresário, o empreendimento foi pioneiro no enoturismo da serra catarinense, investindo posteriormente num restaurante, o Bistrô Bacco, e recentemente na Pousada Villa dos Vinhedos.

Vinícola Villa Francioni e os vinhedos cobertos contra o granizo
Vinícola Villa Francioni no topo da colina e os vinhedos cobertos contra o granizo
Entrada da Vinícola Villa Francioni
Entrada da Vinícola Villa Francioni, toda construída com tijolos de demolição.

Você pode visitar o interior da vinícola com passeios guiados, onde fica sabendo da história da vinícola e tem um vislumbre de como é o processo de fermentação e envase. Ao final há uma degustação com alguns rótulos produzidos pela Villa Francioni. Para uma cidade turística como São Joaquim, a importância do fomento do enoturismo é essencial para renovar o interesse pela região e explorar novas possibilidades de eventos. Há três anos acontece em março a Vindima de Altitude de Santa Catarina, um evento que celebra a época da colheita da uva (vindima) com uma programação especial na cidade e nas vinícolas, com apresentações, happy hours e jantares harmonizados. É uma ótima oportunidade de conhecer os rótulos disponíveis e também aproveitar o cenário pitoresco dos vinhedos.

Cave da Villa Francioni, construída dentro da rocha e os barris de carvalho francês
Cave da Villa Francioni, construída dentro da rocha e os barris de carvalho francês.
Espaço para degustação no final da visita na Vinícola Villa Francioni
Espaço para degustação no final da visita na Vinícola Villa Francioni.

Neste ano, pude apreciar um jantar harmonizado na recém inaugurada Leone di Venezia que, como o próprio nome sugere, é inspirada nas vinícolas da região italiana do Veneto. Com isso o empreendimento traz novas opções para o consumidor, já que escolheu pelo cultivo de uvas italianas, como Sangiovese e Montepulciano (em vez das tradicionais uvas francesas cabernet e merlot). A vinícola esta aberta a visitação, com agendamento prévio.

Não é todo dia que temos a chance de ver as uvas na parreira.

Outra vinícola que se destaca é a Monte Agudo. Há alguns anos eu fui na inauguração do “Espaço Enogastronômico”, com vista para os vinhedos, e tanto o local quanto os vinhos me impressionaram. A vinícola trabalha apenas com reservas e promove degustações, sunsets e picnics nos vinhedos (realizados sazonalmente). Foi uma das pioneiras em investir na experiência dentro dos vinhedos, fazendo com que os seus picnics sejam disputadíssimos.

Espaço Enogastronômico da Vinícola Monte Agudo
Espaço Enogastronômico da Vinícola Monte Agudo. A foto ficou com pouca qualidade, mas mostra como o cenário é incrível.

É esse cuidado e atenção com o cliente que faz toda a diferença, que ajuda a promover a região e o enoturismo em Santa Catarina. Sou natural de São Joaquim, por isso acompanhei o desenvolvimento e o processo de amadurecimento da viticultura, mesmo que de longe. Sinto orgulho quando escuto elogios dos vinhos da região, mas sei que temos muito a crescer ainda. Se você planeja uma viagem para a Serra Catarinense, qualquer que seja a época, não deixe de visitar as vinícolas e experimentar os vinhos da região, há muitos outros que não foram citados aqui e que merecem tanto destaque quanto.

 

San Andres - Colômbia


André Humeres é designer por formação, inquieto por natureza. Viaja pelo mundo, mesmo que seja sentado no banco do ônibus no caminho para o trabalho. Gosta de fotografia e vídeos de viagens, acredita que uma imagem fala mais que o “homem da cobra”. Teve a ideia do Entre Rumos para que pudesse compartilhar imagens de viagens com todos, e quem sabe abrir um canal de comunicação entre outros viajantes.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *